Algumas das maiores empresas de calçados e roupas do mundo estão vendo a produção ser prejudicada enquanto as fábricas no sudeste da Ásia lutam para manter as luzes acesas em meio a um dos ressurgimentos mais mortais da covid-19.

Várias empresas que fabricam produtos para gigantes globais como Nike Inc. e Adidas AG relataram suspensões de linhas de produção no Vietnã nas últimas semanas, enquanto as autoridades impunham restrições para deter o vírus. Outras indústrias, como as fábricas da Toyota Motor Corp. na Tailândia, também estão diminuindo, à medida que vários países da região registram um número recorde de casos e mortes.

“Vai piorar antes de melhorar”, com fechamentos e interrupções de pessoal aumentando na Ásia, disse Deborah Elms, diretora executiva do Centro de Comércio Asiático com sede em Cingapura. “Lugares como o Vietnã, que evitou o bloqueio, não podem manter uma postura aberta. Com vacinações dolorosamente lentas, presumo que haja mais fechamentos nas fábricas, com os efeitos propagadores sentidos em outros lugares. ”

As paralisações temporárias ocorrem à medida que as linhas de montagem se preparam para a temporada de compras de fim de ano nos EUA e na Europa. Atrasos podem significar que sapatos, ternos, moletons e outras roupas não estarão nas prateleiras das lojas de departamentos até o Dia de Ação de Graças, o tradicional início da temporada de compras natalinas, disse Michael Laskau, fundador da Paradigm Shift da cidade de Ho Chi Minh, que funciona como intermediário entre fabricantes e clientes estrangeiros.

Variante delta atingiu em cheio o Sudeste Asiático

O comércio de bens tem sido uma rara proteção para a economia global devastada pela covid-19 – especialmente para os países asiáticos com forte exportação – mas os relatórios mais recentes mostram rachaduras neste pilar de crescimento. O aumento impulsionado pela variante delta atingiu o Sudeste Asiático de forma especialmente dura, ressaltando as escolhas delicadas para os formuladores de políticas que estão equilibrando as iniciativas de vacinação e as restrições de mobilidade enquanto tentam manter suas economias à tona.

A dor na produção é especialmente aguda no Vietnã, onde as autoridades tomaram medidas drásticas para garantir que as fábricas continuem operando. Em alguns casos, empresas de eletrônicos e tecnologia fizeram com que seus funcionários dormissem no local de trabalho.

A indústria de vestuário, com lucros menores e mais trabalhadores, não foi capaz de replicar esse esforço. Feng Tay Enterprise Co., Pou Chen Corp. e Sports Gear Co. estão entre os fabricantes que suspenderam algumas operações no Vietnã.

Phan Thi Thanh Xuan, vice-presidente da Associação de Calçados e Bolsas de Couro do Vietnã, disse na sexta-feira que mais de 90% dos 800 membros do grupo entre fabricantes de calçados e exportadores no sul do país suspenderam temporariamente as operações.

“A maioria das fábricas que abastecem a Nike e a Adidas no Vietnã suspendeu a produção”, disse Xuan. A produção das duas empresas representa cerca de 80% das exportações de calçados vietnamitas e emprega pelo menos 500 mil trabalhadores, ou cerca de metade da força de trabalho da indústria de calçados vietnamita.

Xuan disse que a associação está pedindo ao governo que suspenda as restrições de horas extras para que as fábricas possam compensar produtivamente as perdas quando forem reabertas. Também está pedindo ao governo que permita que as empresas adquiram suas próprias vacinas, que atualmente são distribuídas pelo governo.

“A saúde e a segurança de nossos colegas de equipe, bem como de nossos fornecedores, continuam sendo nossa principal prioridade”, disse a Nike em um comunicado por e-mail. “Continuamos a trabalhar com nossos fornecedores para apoiar seus esforços em resposta à natureza dinâmica e sem precedentes da Covid-19.” A Adidas não quis comentar, citando um “período de silêncio” que as empresas tomam antes de divulgar seus lucros, o que fará em 5 de agosto.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).