Com uma das campanhas de vacinação mais rápidas do mundo, o Chile espera começar a oferecer vacinas contra a Covid-19 para crianças menores de 12 anos até setembro.

Os planos de compra do governo incluem imunizantes para jovens dessa faixa etária, disse o subsecretário de Relações Econômicas Internacionais do Chile, Rodrigo Yañez, em entrevista à Bloomberg TV. As vacinas da Sinovac Biotech são candidatas para quando a campanha de imunização se expandir, dada sua eficácia contra o coronavírus e histórico de segurança, afirmou.

“Esperamos começar a vacinar essa população provavelmente por volta de agosto ou setembro”, disse Yañez, que lidera as negociações do governo com fornecedores de vacinas contra a Covid-19 no mundo todo. “Agora, estamos vacinando adolescentes.”

O Chile já vacinou 61% da população com duas doses, de acordo com o rastreador de vacinas da Bloomberg, uma proporção muito maior do que a de países da região e também mais do que países mais ricos, como Estados Unidos e Reino Unido. Depois de enfrentar ondas de Covid-19 no início deste ano, o país começou a relaxar as restrições com a queda dos casos.

Globalmente, muitos pais não querem vacinar os filhos, pois o risco de hospitalização e morte por causa da Covid-19 é baixo.

Uma equipe da Sinovac está atualmente no Chile em busca de diferentes locais para uma possível fábrica de vacinas que atenderia toda a região, disse Yañez na entrevista. “Também estamos interessados em fábricas de tecnologia de RNA”, afirmou.

O Chile continua em negociações para a compra de vacinas com fornecedores, incluindo Sinovac, Pfizer-BioNTech, Moderna e Sputnik V, disse Yañez. Na quarta-feira, o Instituto de Saúde Pública do país aprovou o uso da Sputnik V para adultos.

Até o momento, o Chile recebeu cerca de 18,6 milhões de vacinas da Sinovac, 6,1 milhões da Pfizer-BioNTech, 1,7 milhão da AstraZeneca e 575 mil da CanSino Biologics, segundo dados do gabinete da presidência. A população total do Chile é cerca de 18 milhões.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).