Já se passou quase um ano desde que o U.S. Census Bureau – a principal agência do governo dos EUA responsável por produzir dados sobre a população e a economia – começou a perguntar aos americanos sobre os efeitos da pandemia na saúde mental. A última pesquisa mostra como as coisas pioraram desde então.

Cerca de 22,3 milhões de americanos receberam recentemente aconselhamento ou terapia de profissionais de saúde mental, de acordo com novos dados com base em pesquisas nas duas semanas até 2 de agosto. Isso é um aumento de mais de 5 milhões em comparação com o final de agosto do ano passado, quando a pesquisa regular da Household Pulse levantou a questão pela primeira vez.

Houve um salto ainda maior no número de americanos que disseram precisar desse tipo de ajuda – mas não conseguiram. Esse número aumentou cerca de um terço em relação ao verão passado, para 23,6 milhões. E cerca de 46,4 milhões de pessoas estão agora tomando medicamentos prescritos para ajudar na saúde emocional ou mental, um aumento de quase 9 milhões no período.

A pesquisa mostra como os problemas de saúde mental desencadeados pela Covid-19 se tornaram mais comuns, mesmo quando o próprio vírus se tornou menos mortal – com consequências para a sociedade e a economia que podem persistir por um tempo.

‘Trauma Coletivo‘

“Temos um trauma coletivo”, disse Janis Whitlock, diretora da Fundação Jed, um grupo sem fins lucrativos que promove assistência à saúde mental para jovens. “Nunca estivemos neste tipo de estado coletivo de incerteza.”

Mesmo antes da pandemia, os pesquisadores estavam se concentrando na saúde mental como um problema econômico sério, além de médico.

Um estudo revelou que “dias ruins de saúde mental” provavelmente resultariam em dezenas de bilhões de dólares em perda de produção para a economia.

Outro concluiu que, após levar em consideração “custos invisíveis”, incluindo aposentadoria antecipada, as perdas econômicas por problemas de saúde mental são comparáveis às causadas por doenças cardíacas e piores do que aquelas relacionadas a câncer ou diabetes.

O estudo do Census sugere que a deterioração foi especialmente severa entre os adultos mais jovens. Cerca de 27 milhões de pessoas na faixa de 18 a 39 anos agora recebem aconselhamento ou tomam medicamentos prescritos por razões de saúde mental, acima dos 20,2 milhões na pesquisa do final de agosto de 2020.

Embora essa pesquisa não envolva aqueles com menos de 18 anos, uma outra destacou os efeitos terríveis da pandemia também nas crianças, incluindo um aumento nas tentativas de suicídio por adolescentes.

E dados divulgados pela American Psychological Association nesta primavera mostraram a disseminação de uma ampla gama de efeitos pandêmicos de segunda ordem, incluindo ganho de peso indesejado, aumento do consumo de álcool e insônia.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).