Os americanos finalmente voltaram a viajar, embora nem todas essas viagens sejam para negócios ou descanso. Muitos embarcaram no chamado turismo de vacinas.

Frustrados por sites de cadastro congestionados, falta de vacinas contra a Covid-19 e regras de elegibilidade confusas, pessoas com tempo e dinheiro têm buscado vacinas que poderiam salvar vidas em outras cidades.

O ex-presidente do conselho do Citigroup, Richard Parsons, está entre esses novos “turistas”. Ele e a esposa voaram de Nova York para Miami neste mês, quando ele descobriu que a Flórida estava vacinando pessoas com 65 anos ou mais “sem fazer perguntas”, disse Parsons, de 72 anos, que inicialmente não se qualificou para receber a vacina em Nova York.

“A Flórida fez uma demarcação simples de quem vai primeiro, então fizemos uma reserva online e, quatro dias depois, estava resolvido”, disse Parsons, que foi vacinado e planeja receber a segunda dose enquanto estiver na Flórida. “Essa não é a resposta para 99% da população, que não pode simplesmente viajar para a Flórida.”

A Flórida não é o único exemplo. Turistas em busca de vacinas começam a chegar em resorts de praia no Havaí, cidades de esqui no Colorado e na cidade de Nova York, que recebeu mais doses do que outras partes do estado, bem como nas proximidades de Nova Jersey e Connecticut.

Não há dados nacionais, mas os estados que rastreiam os números sugerem que dezenas de milhares de americanos estão viajando para tomar a vacina. Mais de 37.000 pessoas que não moram no estado foram vacinadas contra a Covid-19 na Flórida, de acordo com dados estaduais divulgados na terça-feira. O número exclui pessoas que têm uma segunda residência ou negócio na Flórida, onde cerca de 1 milhão foram vacinados.

Em Illinois, cerca de 14.000 pessoas que não moram no estado foram vacinadas. Cerca de 59.000 que receberam a vacina na cidade de Nova York e 22.150 vacinadas em Washington, D.C., não eram residentes, de acordo com dados das cidades.

Quase 15 milhões de doses foram administradas nos Estados Unidos, segundo o rastreador de vacinas da Bloomberg. Especialistas em políticas de saúde dizem que, em geral, quanto mais pessoas forem vacinadas, melhor. Ainda assim, o turismo de vacinas levanta preocupações com pessoas que não têm dinheiro – ou não têm saúde suficiente – para viajar para a imunização.

Também existem questões éticas sobre se é correto apropriar uma dose destinada a uma cidade ou estado específico. O setor de turismo não promoveu grandes campanhas de marketing para evitar dar a impressão que defende burlar as regras.

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, alertou na terça-feira que, depois de expandir a elegibilidade para pessoas com 65 anos ou mais, a cidade estava perigosamente perto de ficar sem vacinas e poderia começar a fechar centros de vacinação na quinta-feira, a menos que a cidade fosse reabastecida.

Cerca de 25% das doses alocadas para a cidade de Nova York foram administradas a não residentes, segundo dados da cidade. De Blasio disse em entrevista coletiva em 12 de janeiro que o problema era uma “preocupação real” e disse que pessoas que “vivem fora dos cinco distritos e não são trabalhadores essenciais não deveriam receber uma vacina na cidade de Nova York”.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).