Eu invisto regularmente em planos de previdência privada para complementar a minha renda na velhice e aproveitar as vantagens sucessórias desse produto.

Recentemente, atualizei as informações dos meus planos de previdência privada. Aliás, é importante que todos que investem em PGBL ou VGBL chequem, de tempos em tempos, se os dados de endereço e beneficiários estão atualizados. Eu explico os motivos.

Alterar Endereço de Correspondência

Esse parece óbvio. Endereço correto garante o recebimento dos extratos (se você ainda não optou pelo recebimento eletrônico), e também dos informes de rendimento (se você ainda não baixa pelo site da seguradora ou do banco que distribui seus planos).

Entretanto, há uma razão mais importante. No caso de morte do titular (eu), minha família já terá bastante dor de cabeça com problemas operacionais para resolver, como enterro (no meu caso, cremação), o que fazer com as minhas roupas (não são muitas), as aulas agendadas (essas sim, são muitas), meus perfis nas redes sociais, inventário, entre várias outras burocracias. Isso sem mencionar a dor emocional.

Em um momento tão ruim para a família, não receber os documentos da seguradora ou ter o pagamento dos beneficiários atrasado porque o falecido deixou o endereço desatualizado é importunar em má hora os parentes queridos.

 Alterar Idade de Aposentadoria

Quanto ao usufruto do saldo acumulado em um plano de previdência, importante ressaltar que você pode ter objetivos distintos e vou listar dois: usar o plano como uma forma eficiente de deixar o dinheiro para seus beneficiários (planejamento sucessório) ou transformar o saldo em uma renda mensal na velhice (planejamento da aposentadoria).

Outro ponto importante é que, diferente de outros produtos de investimento como CDB, fundos e ações, todo plano de previdência privada tem dois períodos bem distintos. O período de diferimento vai da contratação do plano até a data de aposentadoria e é o período em que são feitas as contribuições mensais e os aportes esporádicos, de forma muito parecida com os demais produtos de investimento. Já o período de pagamento do benefício começa na data de aposentadoria e se prolonga até o último recebimento, que vai depender do tipo de renda que foi contratada, sendo renda vitalícia e renda temporária as mais conhecidas. Na renda vitalícia, o titular recebe pagamentos mensais a partir da data de aposentadoria até o mês da sua morte. Já na renda temporária os pagamentos terminam em uma data predefinida ou até o mês da sua morte, o que ocorrer primeiro.

Um ponto que pouquíssima gente sabe é que, no período de pagamento do benefício, a renda cessa com o falecimento, sem que seja devida qualquer devolução, indenização ou compensação de qualquer espécie ou natureza. Isso significa que se o titular falecer dois meses após a data de aposentadoria, ele só receberá dois meses de renda, e todo o saldo que foi acumulado ao longo dos anos no plano passará a ser da seguradora.

Isso significa que se você pretende deixar o montante acumulado para seus beneficiários, o seu plano não pode chegar no período de pagamento do benefício. Para isso, você precisa alterar a data de aposentadoria para uma data longínqua, prolongando o período de diferimento.

E foi isso o que eu fiz. Para o plano que eu quero passar para minha esposa e filhas, eu alterei a idade de aposentadoria para 99 anos (27/10/2075!), o máximo permitido no site da seguradora dos meus planos.

Entretanto, tenho outro plano de previdência privada que eu contratei com o objetivo de transformar o saldo em uma renda mensal vitalícia para mim. Nesse caso, alterei para 66 anos (27/10/2042), idade que eu defini como o início da minha “velhice”.

Alterar Beneficiários

No momento da contratação, muitos investidores não indicam os beneficiários dos planos nem os percentuais a serem repassados a cada um em caso de morte do titular. Acontece que, não havendo indicação expressa, ou na falta de beneficiários, é seguida a ordem de vocação hereditária prevista no Código Civil brasileiro.

Eu recomendo sempre indicar seus beneficiários, mesmo que eles coincidam com a ordem de vocação hereditária que, no meu caso, são 50% para esposa e 25% para cada uma das minhas duas filhas.

Quando eu falecer, não quero que a seguradora perca tempo descobrindo quem são meus herdeiros e exigindo comprovações à minha família. Ressalto: ela já terá bastante dor de cabeça e problemas operacionais para resolver. Ao deixar todos os beneficiários registrados na seguradora, com o percentual total somando 100%, eu simplifico e agilizo o pagamento aos meus herdeiros, que receberão o dinheiro em poucas semanas.

Aliás, quando fui atualizar meus planos e cliquei em “Alterar beneficiários”, descobri que eu tinha um plano novo sem os beneficiários indicados, e planos mais antigos estavam com indicação de 50% para minha esposa e 50% para minha filha mais velha, pois na época a Emily nem tinha nascido ainda. Já corrigi todos para esposa 50% e cada filha 25%.

Ato de Amor

O período após o falecimento de um membro da família é muito conturbado e doloroso. Facilitar, em vida, os processos que estiverem à sua mão também é um ato de amor. Então, não deixe para depois: atualize o quanto antes endereço, idade de aposentadoria e beneficiários de todos os seus PGBL e VGBL. E se os seus objetivos mudarem, lembre-se que você sempre pode alterá-los a qualquer momento durante o período de diferimento.