Fui convidado a ler em primeira mão e a prefaciar o livro Finanças do Lar, do professor e amigo Marcelo Guterman. O convite não me deixou apenas honrado, mas também muito feliz que uma obra desta qualidade estará à disposição do público brasileiro.

Prefácio

Conheço bastante gente muito inteligente, mas o Marcelo Guterman subiria ao pódio deste seleto grupo, pois ele é “Top 3”. Ele é inteligente porque gosta de aprender, aprende rápido, aplica o que aprendeu e sabe fazer com que os outros aprendam com ele, tudo isso com excelência e alta qualidade.

Eu o conheci em 2003, quando foi meu professor no MBA de Finanças. Dentre os 12 professores do programa, novamente ele foi “Top 3”. Mesmo “novinho” e sem experiência didática, se destacou pelo seu conhecimento, sua motivação em ensinar e sua humildade.

Em 2007, viramos colegas de mestrado no Insper. Quando um colega de turma chega usando uma camiseta amarela com pequenos caracteres formando um grande rosto do cientista Albert Einstein, você definitivamente quer essa pessoa no seu grupo de trabalho! Não à toa, Marcelo foi “Top 3” da turma e sua dissertação de mestrado ganhou o Prêmio Anbima de Mercado de Capitais.

Hoje, ambos somos professores, profissionais do mercado financeiro e modestos influenciadores financeiros. O Marcelo “influencer” está no meu “Top 3”, pois eu consumo tudo (isso mesmo, tudo!) o que ele posta nas redes sociais. Ele é um dos meus 3 amigos marcados como “Favoritos” para eu não perder nenhuma análise financeira, econômica, política ou social, além das suas sacadas inteligentes.

Quando uma pessoa tão “Top 3” escreve um livro, a leitura é interessante. Quando o livro é sobre Finanças do Lar e baseado em uma casa com nove pessoas (marido, esposa e sete filhos do mesmo casamento), a leitura é recomendada. Quando você descobre que todo o dinheiro é fruto do trabalho do próprio autor, sem herança, sem Mega Sena, e ainda por cima que dez por cento são doados para caridade todos os meses, a leitura passa a ser obrigatória.

O livro é fácil de ler, mas não podemos confundir fácil com básico. Cada capítulo traz, de forma leve, um tópico importante de educação financeira, desde o processo de orçamentação (Orçamento é tudo), consumo (A teoria do gás), crédito (Dívidas: não ter não é uma opção) e investimento (Como investir), até discussões sobre padrão de vida (Independência financeira), tomada de decisões (Pequenas decisões, grandes dilemas) e educação financeira infantil (A Educação financeira dos filhos). Por tudo isso, eu classifico o livro como essencial.

Essencial porque é fundamental para adultos brasileiros, independentemente se têm cônjuge ou filhos. Essencial porque mostra que é possível se organizar para ter qualidade de vida hoje e para sempre. Essencial porque ensina fundamentos de educação financeira aplicados no dia a dia de uma grande família brasileira (grande em todos os sentidos!).

Segundo o Banco Central, educação financeira “é o processo mediante o qual consumidores e investidores financeiros melhoram a sua compreensão sobre produtos, conceitos e riscos financeiros e, por meio de informação, instrução ou aconselhamento objetivo, desenvolvem as habilidades e a confiança necessárias para se tornarem mais cientes dos riscos e oportunidades financeiras, para fazer escolhas baseadas em informação, saber onde procurar ajuda e realizar outras ações efetivas que melhorem o seu bem-estar financeiro”.

Dentro desse contexto, Finanças do Lar informa sobre produtos, conceitos e riscos financeiros. O livro instrui o leitor a tomar melhores decisões financeiras, visando seu bem-estar financeiro para sempre. E o lar do Marcelo Guterman ensina que, com disciplina e determinação, dá para todos serem felizes.
Sem dúvida, este livro virou “Top 3” na minha biblioteca de educação financeira.