Mike Wimmer é um menino americano de 12 anos que foi notícia no mundo inteiro nas últimas semanas, pois está se graduando no ensino médio e na faculdade ao mesmo tempo. Ele diz ter aproveitado as restrições da pandemia para acelerar seus estudos. Se define como “o cara da matemática e das ciências” e um autodidata em programação e robótica.

Todos devemos concordar que ele é um menino genial. Então vou utilizar o seu exemplo, e este vídeo que ele produziu no seu canal do Youtube, para me ajudar a fazer um apelo positivo e otimista sobre Inteligência Artificial.

Na imagem (e você pode conferir todo o vídeo depois no link), ele está demonstrando um algoritmo de Machine Learning (um conceito dentro do mundo de Inteligência Artificial) que ele mesmo fez, e onde o computador reconhece o nome do carrinho de brinquedo que ele mostra para a câmera. “Eu me desafiei a criar um programa que detecta no vídeo alguns dos meus carrinhos de brinquedo. Eu aumentei o desafio usando carrinhos vermelhos enquanto utilizava uma camiseta vermelha”, explica ele no vídeo.

 

A maioria das pessoas quando ouve a expressão Inteligência Artificial (IA) tende a pensar em algo assustador. Mesmo não sabendo direito do que se trata, elas têm medo do que não conhecem. Possivelmente, a primeira vez que você escutou essa expressão foi em algum filme de ficção científica. E, provavelmente, neste filme a IA estava fazendo mal para algum ser humano. Lembrou? Sim, medo vende mais que amor.

Mas Inteligência Artificial é assunto sério e pode ser a origem de mudanças em praticamente todas as profissões e empresas, e talvez nações. É uma tecnologia de propósito geral, transversal, pervasiva, e – talvez exagerando – como a escrita, a eletricidade ou a internet.

Em abril de 2017, a Comissão de IA da União Europeia anunciou: “Como no passado a máquina a vapor ou a eletricidade, a Inteligência Artificial está transformando o nosso mundo, nossa sociedade e nossas indústrias. O aumento do poder computacional, a disponibilidade de dados e o avanço de algoritmos transformaram a IA em uma das tecnologias mais estratégicas do século 21. As apostas não poderiam ser maiores. A maneira como encararmos a IA irá definir o mundo que vivemos”.
Então, o que você acha disso? Acredita que IA é uma invenção terrível ou irá nos trazer uma nova onda de prosperidade humana?

Certamente novas tecnologias podem ser utilizadas para o mal, e não sabemos todos os seus efeitos colaterais. Até o famoso Elon Musk já tascou que “com a IA nós estamos convocando o demônio”. Nota Importante: Todos os negócios multibilionários de Elon Musk utilizem exaustiva e intensamente essas tecnologias.

Mas a tecnologia nunca fez mal para as pessoas. Quem faz mal para as pessoas são as pessoas más. Eventualmente, utilizando tecnologias.

E aqui – para mim – está o grande risco!

O maior risco não é a IA, mas a ignorância sobre IA. A maioria das pessoas nem sabe direito do que se trata e como ela funciona, mas é “contra”. O risco deste comportamento é afastar outras pessoas de bem de aprender mais sobre o tema, em especial as nossas crianças. E quando a ignorância se multiplica entre as pessoas de bem, cria-se espaço para as pessoas más.

Como ensinou Sócrates, o filósofo, “a única bondade é o conhecimento e a única maldade é a ignorância”. Então, acho que deveríamos convocar todos os nossos amigos, familiares e empresas a estudarem e debaterem mais sobre os efeitos positivos da Inteligência Artificial. Desta forma teremos mais chance de realmente entender os benefícios e os riscos, e não comprarmos apenas opiniões prontas.

Aprender sobre Inteligência Artificial vai se tornar um imperativo. E talvez uma boa maneira de começar é se perguntando: como aquele menino treinou o computador para reconhecer o brinquedo dele?

Quando você aprender, ensine para alguém que você gosta muito.