As compras foram feitas em real, dólar e euro. Em uma única noite, eu “comprei” um laptop da Dell, uma bolsa Gucci e outros artigos elegantes. Bom, pelo menos o fraudador do meu cartão de crédito tem bom gosto, pensei. Aí começaram os trâmites: liga para a central de atendimento do banco, explica a situação, faz cartinha de próprio punho, bate foto, anexa no e-mail, cancela cartão, solicita novo cartão… que belo início de manhã.

Mas os golpistas não estavam satisfeitos. A farra continuou, e desta vez com compras no meu outro cartão de crédito pessoal. Mais gastos diversos e toca repetir o processo de estorno e cancelamento de cartão com o outro banco. Meu consolo era que pelo menos os golpistas não teriam mais o que clonar, já que tenho apenas 2 cartões de crédito pessoais.

Um mês depois, fazendo uma pesquisa na internet sobre artigos para casa, deparei-me com a mensagem: “Essa senha apareceu em um vazamento de dados. Por favor, troque a senha para continuar“. Intrigada, fiz login em outros sites de compra e recebi uma mensagem semelhante em todos. Oficialmente eu me tornava vítima de um dos maiores vazamentos de dados da história do país, onde mais de 223 milhões de CPFs (incluindo o de pessoas falecidas) foram expostos.

E o mega vazamento não foi só de números de CPF. Também foram expostos os endereços, score de crédito, escolaridade e imposto de renda, uma tabela com dados de CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) e dados sensíveis, como por exemplo, data de nascimento, nome completo e gênero.

Para ajudar pessoas que sofreram golpes desse tipo, o Banco Central criou o Registrato, e vou te contar como usar essa ferramenta e o que fazer se encontrar dívidas não reconhecidas no seu cadastro.

O que é o Registrato?

Ferramenta criada pelo Banco Central que engloba todas as informações financeiras e relaciona as instituições bancárias que possuem ao CPF. Além disso, a ferramenta aponta eventuais dívidas e empréstimos no nome da pessoa.

Como se cadastrar?

  • Ao acessar o site do Banco Central e clicar em “primeiro acesso”;
  • Escolher uma das formas de autenticação do cadastro (SMS, e-mail ou internet banking);
  • Abrir o aplicativo do banco e, na categoria de serviços, selecionar a integração com o registrato – opção também disponíveis no menu web;
  • Um código PIN será gerado – esse número será usado no site do Banco Central. Guarde-o;
  • Digitar o PIN de autenticação no site do Banco Central https://credenciamento.bcb.gov.br/via-app
  • Acessar o Registrado para ter acesso às informações dos seus dados financeiros.

Encontrei informações divergentes, o que faço?

Se você levou um susto ao verificar no Registrato que existe conta bancária ou dívida que não reconhece, entre em contato com o banco e cancele a operação para proteger seus dados financeiros. Logo em seguida, registre uma reclamação na sessão “Fale Conosco” do Banco Central, desta forma o banco fica oficialmente notificado da sua reclamação e tem um prazo estipulado para retorno.

Pode ser importante também abrir um chamado no Procon e fazer um Boletim de Ocorrência, que inclusive será útil caso seja preciso abrir investigações na Justiça.

Como dicas gerais, lembre de não clicar em links de e-mails ou mensagens de celular e cadastre senhas diferentes para seus acessos. Certamente proteger nossos dados demanda trabalho, mas ter que correr atrás do prejuízo, dá muito mais.

Um beijo e nos vemos no próximo conteúdo sobre finanças pessoais! Até mais!