Eu lembro que, quando mocinha, guardava o meu décimo terceiro salário em um cofre de metal vermelho, desses que imitam os antigas cabines telefônicas do Reino Unido e que são vendidos em lojinhas de bugigangas, sabe? Esse cofre ficava na minha mesinha de cabeceira e parte da minha satisfação financeira juvenil muitas vezes se resumiu em abrir o cofre, espalhar o dinheiro em cima da cama e admirar as cédulas.

Não se engane, caro leitor, o valor acumulado não era nada além de um salário mínimo para a época, mas a sensação de observar as notas expostas, me deleitava. Divagações à parte, o dinheiro que eu acumulava nesse cofre ia sendo usado para imprevistos e despesas extras ao longo do ano e, é claro, quase nunca sobravam vestígios dele até que o próximo décimo terceiro salário fosse recebido.

Mal eu sabia que estava fazendo, dessa forma, uma reserva de emergência. Esse, inclusive, desde sempre foi o objetivo do décimo terceiro. Sim, esse salário “extra” no final do ano (que alguns dirão que não é nada extra, mas sim, um pagamento pelo tempo trabalhado durante o ano), surgiu para que o trabalhador tivesse mais recursos para não se endividar com os gastos que todo início de ano carrega.

Mas o que vemos na prática, é o dinheiro do 13º salário sendo consumido pelas compras e comemorações festivas de todo novembro e dezembro. Apesar de reconhecer que o 13º salário é um enorme propulsor da nossa economia, movimentando bilhões de reais todo ano, preciso assumir o meu papel de educadora financeira e te dizer algumas verdades relevantes sobre o uso desse dinheiro.

A primeira delas é que se parte desse seu salário extra é usado com compras, está tudo certo. Sim, isso mesmo. Dinheiro é um meio que nos garante mais conforto, praticidade, segurança, e por que não, uma das formas mais reconhecidas de demonstrar carinho e apreço.

Mas, se todo o seu 13º é destinado para as compras de final de ano, algo precisa ser revisto. Deixo a seguir dicas valiosas que mostram as melhores formas de usar desse benefício sem que seus momentos de alegria financeira sejam tão fugazes quanto os fogos de réveillon.

• É uma boa hora para sair das dívidas

Os feirões “Limpa Nome”, organizados pelas instituições bancárias e financeiras para quitação de dívidas, costumam acontecer todo final de ano. Esses feirões, presenciais ou online, são excelentes oportunidades para quem carregou pesados boletos, carnês e faturas durante os últimos meses e gostaria de entrar no próximo ano livre, sem estar devendo no mercado.

Se a sua dúvida estiver entre “quitar as dívidas ou começar a investir”, preste atenção nos juros cobrados das dívidas versus os juros a serem recebidos nos investimentos. Via de regra, a comparação não é justa (a não ser para o credor da dívida).

• Elimine as despesas de início de ano

Já pensou como seria bom entrar nos primeiros meses do ano sem as diversas prestações como as do IPTU, IPVA, matrícula e material escolar? E ainda, garantindo desconto em cada um desses pagamentos porque conseguiu pagá-los à vista ou parcelando o menor valor possível? Um sonho, não é? Mas um sonho possível.

Poupar uma parte do 13º salário para essas despesas cruéis de início de ano é uma boa estratégia para deixar esse novo ciclo financeiro que se inicia, mais leve.

• Pense com carinho na sua reserva financeira

Essencial na vida de todos nós, a reserva financeira é como chamamos o montante correspondente, em geral, de 6 a 12 meses de despesas mensais. Essa Reserva nos protege de possíveis endividamentos e pagamentos de juros abusivos causados, principalmente, por imprevistos financeiros.

Títulos Públicos do Tesouro Selic, Fundos DI, conta digital remunerada e CDBs de liquidez diária rendendo pelo menos 100% do CDI cumprem bem essa função.

• Que tal diversificar um pouco mais?

Não há dívidas no caminho, as despesas de início de ano já estão previstas e dentro do orçamento, e a Reserva Financeira já está constituída? Pois há a chance incrível de fazer o 13º (ou parte dele) trabalhar para você através de investimentos um pouquinho mais arrojados.

Lembre que conhecer o seu perfil de investidor é o passo mais importante da sua caminhada pelo mundo dos investimentos, e não se preocupe, os bancos e corretoras fazem esse mapeamento para você no início de todo o processo.

O 13º salário é uma excelente oportunidade para colocar as finanças em dia, começar a construir sua carteira de investimentos e ainda, se presentear e presentear seus queridos.
Aproveite esse dinheiro extra com sabedoria e nos vemos no próximo conteúdo sobre finanças pessoais. Até mais!