As aulas começaram e tudo voltou ao normal na rotina de trabalho das pessoas, certo? Nada disso. Pelo menos em São Paulo, onde as escolas particulares retomaram as atividades nos últimos dias, cada colégio adotou um modelo diferente de retorno.

Alguns dividiram as classes em turmas e cada uma se reveza nas aulas presenciais ao longo da semana. Em outras, o revezamento é semanal. Em comum está o fato de que o retorno é híbrido, ou seja, uma combinação de aulas presenciais com ensino remoto.

Para piorar, há famílias com filhos com dias diferentes de aula presencial: enquanto um está na escola, o outro tem aulas online em casa.

Cenários tão diferentes trouxeram um complicador a mais para a rotina dos profissionais que tentavam criar um mínimo de equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal em meio às mudanças trazidas pela pandemia.

“Continua sendo um desafio, principalmente para as mães. As escolas começaram a voltar, mas cada uma de um jeito. Isso é um desafio para as empresas e para as profissionais”, afirma Lúcia Neves, gerente de Recursos Humanos da Adecco, empresa de recrutamento.

A própria Adecco sentiu como essa volta ainda nada normal das aulas impacta na vida das funcionárias. “Vivenciamos esse desafio dentro da própria Adecco. Teve mãe em que a escola voltou um dia da semana para um filho e todo dia para outro”, conta.

Essa é a situação dos empresários Alessandra e Cleber Garcia, pais de Laura, de 8 anos, e de Gabriel, de 6. Enquanto Gabriel tem aulas presenciais todos os dias, Laura voltou em esquema de rodízio.

“Agora, meu marido vem almoçar mais tarde, almoça depois que todo mundo já comeu. Enquanto ele almoça, a Laura almoça e eu saio para levar o Gabriel para a escola. Quando eu volto para casa, ele retorna para a loja”, contou.

Segundo ela, essa situação acabou afetando o horário de almoço do funcionário da loja, que também acaba comendo mais tarde.

Para Natalí de Faria, a volta às aulas precisou trazer organização para sua rotina. “Antes, não tínhamos horário fixo para o café da manhã, almoço, banho. Fazíamos entre as reuniões de trabalho. Agora, o almoço tem que estar na mesa até meio dia, porque temos que levá-lo à escola ou colocá-lo nas lives”, diz . “Nos dias de presencial, temos que cuidar para que algum dos dois consiga sair a tempo para buscá-lo no fim da tarde. Todos os dias são uma correria e um equilibro de pratos.”

Como as empresas devem lidar com isso?

A recomendação é que as empresas tenham paciência e compreensão desse momento de desorganização de horário, pois isso deve ser temporário. “Tem que ter o entendimento de que a vida dessas profissionais ficou ainda mais complicada, pois elas têm de partilhar o tempo delas com a tarefas como fazer almoço, levar e buscar da escola”, diz Lúcia.

Para Sergio Margosian, consultor da Michael Page, essa volta sem muita regra às aulas vai exigir ainda mais flexibilidade das companhias e funcionários.

“Os dois lados precisarão ter flexibilidade, porque ainda não temos previsibilidade do que vai acontecer”, afirmou.

Mas as crianças já não iam antes para a escola?

Iam, mas não havia a preocupação com a pandemia e as aulas presenciais ocorriam todos os dias. Então era mais fácil adaptar os horários de trabalho com os da escola. “É uma volta às aulas com mais preocupação, porque a agenda mudou. O deslocamento também ficou mais difícil.”

E como fica o trabalho?

Para os especialistas em RH, o início da volta às aulas, mesmo sem muita organização de calendário, pode ser um incentivo para o retorno aos escritórios. Mas a aposta é de que esse retorno seja híbrido: alguns dias presencialmente e outros em home office. “Vejo que muitas empresas já partiram para esse modelo híbrido”, diz Lúcia.

O que as famílias acham disso tudo?

Para os pais que optaram pelo retorno presencial, todos os perrengues da volta parecem compensar as dificuldades de organização de horário. “Mudou toda programação, mas ainda sim vale a pena. Eles precisavam de convívio, contato com outras crianças”, conta Alessandra.

É esse o sentimento de Natalí. “Vale a pena. Ele está muito feliz de voltar para a escola e rever os amigos.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).