Profissionais de Londres querem reajuste de salário para retornar às mesas em tempo integral após a pandemia, segundo uma pesquisa.

Como as restrições da Covid-19 deixaram muitos escritórios vazios, os chamados funcionários de colarinho branco passaram 16 meses trabalhando principalmente de casa. Apenas 17% agora dizem que desejam um retorno em tempo integral ao escritório, de acordo com pesquisa encomendada pela empresa de análise Locatee.

No entanto, um salário mais alto atrairia 43% dos funcionários de volta ao escritório. Em Londres, esse aumento equivale a uma média de 5.100 libras por ano (US$ 6.950), praticamente o mesmo que o custo anual de trem entre Londres e a cidade de Tunbridge Wells, em Kent. O salário médio no Reino Unido é de 4.000 libras.

A pesquisa destacou as dificuldades em atingir um “novo normal” pós-pandemia nas empresas. O fim das restrições relacionadas ao coronavírus nesta semana, em meio ao aumento de casos em Londres e no Reino Unido, ainda não estimulou um retorno em larga escala.

O aumento dos salários e dos preços reforça preocupações do Banco da Inglaterra sobre quando reduzir o estímulo injetado desde o início de 2020 para aliviar a pandemia. Se os trabalhadores de Londres obtivessem o reajuste que desejam para retornar em tempo integral, seria o equivalente a um aumento de 15% no salário médio na cidade.

Muitas empresas querem os funcionários de volta e já planejam um futuro híbrido que inclua o trabalho remoto.

“As empresas correm risco de perder talentos se não oferecerem alguma flexibilidade”, de acordo com Thomas Kessler, CEO e fundador da Locatee. Os funcionários, por outro lado, “ainda querem se sentir parte de uma unidade maior, cercados (às vezes fisicamente) por colegas e apoiados pela empresa.”

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).