Quem se viu obrigado a migrar para o home office em meio a pandemia causada pelo coronavírus teve que se readaptar a uma nova rotina de trabalho. Não mais que de repente, a sala virou o escritório e a vida profissional e a pessoal se embolaram.

O horário de trabalho fixo também parece ter se prolongado, se arrastando desde o início da manhã até o final da noite. A falta de separação clara entre horário do trabalho e as demais funções pode fazer com que o estresse aumente e a produtividade caia.

“Para a gente se acomodar em meio a tudo isso, leva um tempo. Agora é que as pessoas estão começando a se acomodar com o home office. Mas, de fato, essa chave para desligar e parar de trabalhar ainda é complicada”, disse Izabela Mioto, coordenadora da pós-graduação em Gestão de Pessoas da Faap.

Mas se você mesmo não consegue definir um tempo claro de trabalho, há formas de promover tais mudanças. Segundo especialistas ouvidos pelo 6 Minutos, há quatro pontos centrais para que o trabalhador possa abandonar o sentimento de estar trabalhando mais. Confira:

Organização

A primeira dica é que o trabalhador precisa se organizar em relação ao tempo. Conseguir separar o horário de trabalho do de lazer é essencial. Ter horários fixos de trabalho, como das 8h às 18h, por exemplo, vai ajudar.

“Depende muito da capacidade de organizar esse tempo e fazer essa distinção. No começo vai levar tempo de adaptação, mas precisamos ter um foco dessa organização de tempo para que eu não entre em um nível de exaustão, de estresse”, afirmou Izabela Mioto.

Depois do horário de trabalho, elencar algumas atividades divertidas, como ver uma série ou tocar um instrumento podem ajudar a marcar o “fim do expediente”.

Separar espaços

Outro procedimento que deve auxiliar é ter espaços de trabalho e lazer diferentes, se possível. Portanto, evitar trabalhar no quarto, por exemplo, é uma forma de combater esse sentimento de sempre estar no escritório.

“Faz sentido separar fisicamente os espaços. Você não precisa colocar terno e gravata no home office. Só que se você não diferenciar ambiente, psicologicamente, te traz uma certa confusão pois você embaralha o cérebro”, disse Marcelo Rivani, professor de gestão de pessoas e inovação corporativa do Ibmec-SP.

“Nunca corrijo prova, por exemplo, na cama. Você precisa mudar o mindset. Levanta, toma banho e senta na mesa da sala. Ou senta no quintal, mas trabalhe que o momento de trabalho é de trabalho”, disse.

Além disso, organizar o espaço com objetos que remetam à memória ao ambiente de trabalho também pode ajudar.

“Você precisa criar um ambiente profissional e ter fatores que te chamam à memória. Coloque o bloco com canetas, o post-it, para não ter problema de performance”, afirmou.

Rotina

Ter uma rotina clara pode acalmar a ansiedade, de acordo com os especialistas. Para isso, contudo, é necessário que você comunique todos que dividem a casa com você quais serão os horários em que você estará trabalhando todos os dias.

“Quando estamos em casa, temos pessoas dividindo espaços e dá um pouco de atrito, pois quando você precisa fazer uma reunião e os barulhos incomodam muito e acabam te levando a trabalhar em outros horários”, disse a professora da FAAP.

Pausas (mas não demais)

A pandemia e as novas rotinas do home office, com convívios forçados, pressiona quem está em casa. Por isso, fazer pausas e não se sobrecarregar é essencial para aliviar as tensões e conseguir focar no trabalho de uma vez só.

“Fazer interrupções para fazer divisão é a vantagem que você tem da oxigenação. Só conseguimos resolver, quando não estamos pensando no problema”, disse Marcelo Rivani.

Mas, segundo o professor do Ibmec-SP, a pausa deve ser estabelecida e não estendida por muito tempo.

“Dentro do mundo corporativo, adotamos uma política de produtividade onde faz parte esse excesso de paradas. Cientificamente, é comprovado que você tem que parar. Você não consegue trabalhar oito horas direto, mas as paradas, muitas delas, são desnecessárias e acabam só atrapalhando”, afirmou.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).