A disparidade salarial entre os sexos na área de tecnologia ainda é bem grande, embora esteja ligeiramente melhorando. Em 2020, os candidatos do sexo masculino receberam ofertas de salários mais elevados do que as mulheres para a mesma função na mesma empresa 59% das vezes, de acordo com dados coletados pela Hired, uma plataforma que combina candidatos a empregos com tecnologia aberta e funções de vendas.

Em média, esses salários eram 3% maiores para os homens do que para as mulheres, embora certos mercados tenham lacunas maiores do que outros. Em Londres, os homens têm salários 10% mais altos, em comparação com 5% na área da baía de São Francisco e 7% em Nova York.

A diferença diminuiu ligeiramente em relação a 2019, quando os candidatos do sexo masculino obtiveram ofertas mais altas 65% das vezes e receberam em média 4% a mais do que as mulheres. A situação também melhorou para as pessoas negras, pois os candidatos viram salários 4% mais baixos do que a linha de base em 2020, em comparação com uma diferença de 5% em 2019.

“Ficamos agradavelmente surpresos e animados em ver que a diferença está diminuindo em termos de disparidade salarial, mas ainda temos um longo caminho a percorrer”, disse Josh Brenner, CEO da Hired. “Continuamos a ver que grupos sub-representados em toda a linha recebem menos do que seus colegas brancos do sexo masculino para a mesma função.”

A indústria de tecnologia é famosa por uma cultura dominada por funcionários majoritariamente do sexo masculino e com histórico de preconceito generalizado. Enquanto as mulheres estão entrando no mercado em maior número e começando a subir na hierarquia, o progresso é lento e se reflete especialmente no pagamento. Isso ganhou um novo destaque desde os protestos do Black Lives Matter do ano passado, à medida que as empresas colocaram um foco renovado no estreitamento da desigualdade racial.

As discrepâncias muitas vezes podem ser uma profecia autorrealizável. Mulheres tinham expectativas salariais 6% menores do que os homens em 2019, em comparação com 3% em 2020, algo que melhorou juntamente com a diferença salarial real. Os dois fatores estão tão fortemente correlacionados que uma lacuna cada vez menor nas expectativas pode acabar totalmente com a disparidade resultante, disse Brenner.

“As pessoas podem ficar presas em um ciclo de salários mais baixos ao longo do tempo porque realmente não sabem”, disse Brenner. “Elas não sabem qual é a média ou qual é a compensação justa pela função, pela experiência que têm.”

Uma das melhores maneiras de as empresas avançarem em direção à igualdade de pagamento é sendo transparentes com os dados de remuneração, disse Brenner.

A Hired entrevistou mais de 2.000 funcionários de tecnologia ao longo do ano passado. A companhia também extraiu dados de sua rede de mais de 10.000 empresas participantes.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).