Mais da metade dos trabalhadores no mundo todo estão preocupados em perder seus empregos, de acordo com uma pesquisa para medir a insegurança no mercado de trabalho causada pela crise de coronavírus.

A pesquisa com 12.430 pessoas para o Fórum Econômico Mundial mostrou que 54% delas estão “muito preocupadas” ou “um pouco preocupadas” em perder o emprego no próximo ano. Os entrevistados fazem parte de 27 países, incluindo quase todas as economias do G-20.

O relatório destaca a angústia coletiva sobre os meios de subsistência causada pela crise de coronavírus, justo quando um novo surto de casos na Europa ressalta a persistência da pandemia. No mês passado, a Organização Internacional do Trabalho estimou que os danos causados foram equivalentes a 500 milhões de empregos no segundo trimestre.

Os russos se mostraram os mais preocupados: 75% dos entrevistados revelaram estar preocupados com o emprego. Na Alemanha, em contraste, o resultado equivalente foi de apenas 26%.

A pesquisa da Ipsos com adultos em idade ativa, realizada entre 25 de setembro e 9 de outubro, também perguntou se poderiam aprender e desenvolver habilidades para os empregos do futuro com o empregador atual. A Espanha obteve a pontuação mais alta, onde 86% dos entrevistados afirmaram isso. Japão, Suécia e Rússia tiveram os piores resultados: menos de 50% responderam que podem aprender essas habilidades no trabalho.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).