Marianne Russo deixou seu emprego no Facebook no ano passado, quando a pandemia fechou as escolas de seus filhos. Agora, ela está vacinada, as escolas estão reabrindo e Russo, uma entre mais de 1,4 milhão de mães que deixaram o mercado de trabalho durante a Covid, está lutando para voltar.

Mesmo com a economia melhorando, surgem sinais de lacunas na retomada. A responsabilidade contínua de cuidar dos filhos ainda está impedindo o retorno de muitas mulheres. As mães com idades entre 25 e 54 anos permanecem fora do mercado de trabalho a taxas mais altas do que todas as outras, de acordo com análise do Federal Reserve de San Francisco.

E, à medida que mais mulheres voltam ao trabalho, nota-se que a Covid-19 mudou permanentemente as aspirações de carreira de muitas delas, com o aumento do trabalho de meio período e até a busca de profissões totalmente diferentes. Outras não têm certeza se vão voltar ao trabalho.

“Este é um revés de longo prazo”, disse Sarah House , economista sênior da Wells Fargo. “O trade-off financeiro entre o trabalho remunerado e o não remunerado vai mudar.”

É exatamente isso o que preocupa Marianne Russo. Depois que ela atualizou seu perfil no LinkedIn para dizer que havia deixado o Facebook, a onda usual de mensagens de recrutadores secou. A maioria das consultas que ela recebeu foi para funções de nível inferior.

Quase meio milhão de mulheres retornou à força de trabalho dos EUA em março, marcando um ponto de inflexão na chamada recessão feminina que está prejudicando as economias em todo o mundo. Mas ainda há quase 2 milhões de mulheres americanas a menos no mercado de trabalho do que antes da Covid. E as mulheres negras, em particular, estão ficando para trás em relação a outros grupos na reconquista de um emprego.

Os formuladores de políticas estão ansiosos para ajudar as mulheres a retornarem ao mercado. Um começo promissor: o pacote de estímulo de US$ 1,9 trilhão do presidente Joe Biden, que inclui apoio para escolas e pais, e sua proposta mais recente para modernizar creches.

Mulheres com filhos enfrentam desafios consideráveis ao buscar um retorno ao trabalho, em parte porque são frequentemente consideradas menos produtivas ou comprometidas, disse Reshma Saujani, fundadora do Girls Who Code e do grupo de defesa Marshall Plan for Moms. Isso só piorou com os acordos de trabalho em home office, disse ela.

“Não conseguimos esconder nossos filhos”, disse Saujani. “Eu simplesmente não acredito que um empregador diga ‘sim, vou contratar uma mãe’.”

A pandemia – e a crise associada aos cuidados com os filhos – também mudou permanentemente a forma como algumas mulheres veem suas carreiras. As mulheres são mais propensas do que os homens a dizer que querem trabalhar em casa o tempo todo, de acordo com pesquisa do Pew Research Center. O número de pessoas trabalhando em tempo parcial por razões não econômicas – o que inclui creches – aumentou em março em mais de 700.000.

Outro fator de dificuldade para os pais: crianças pequenas provavelmente não serão elegíveis para vacinas até pelo menos o próximo ano. Apoio adicional dos pais também pode ser necessário à medida que as crianças voltem à aprendizagem presencial, dizem os especialistas.

Alison Wieties, 37, gostaria de eventualmente se candidatar a empregos em uma escola local para que seus horários correspondam aos de seus quatro filhos, depois de trabalhar anteriormente em uma farmácia. Mas ela não está planejando nem mesmo começar sua busca de emprego até que seus filhos estejam de volta à escola neste outono e bem adaptados.

“Estou apavorada com a possibilidade de meu filho ir para a primeira série presencialmente, ele nunca foi para a pré-escola ou jardim de infância dessa forma antes”, disse Wieties, que mora com sua família em Illinois. “Essa é uma razão para esperar antes de procurar emprego.”

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).