Nem tudo são flores no mundo do home office. É fato que as pessoas perdem menos tempo no trânsito e que ficar em casa permite a criação de uma rotina mais flexível. Mas existe um lado do trabalho remoto que pouca gente admite publicamente: ele pode alterar o sono, não é produtivo para todos e, muitas vezes, exige jornadas extenuantes.

Mas uma pesquisa realizada pela Globant, empresa de serviços de tecnologia, com seus 900 colaboradores, identificou o lado B do trabalho remoto.

Veja algumas das conclusões:

  • Alteração do sono: 84%
  • Queda da produtividade: 49%
  • Não consegue separar trabalho e vida pessoal: 67%

Por que a produtividade caiu? De acordo com a pesquisa, o que pesou foram as distrações dentro de casa, seguido da dificuldade se comunicar com os colegas de trabalho.

As pessoas estão trabalhando mais? Sim. Mais de um terço (36%) afirma que horário de trabalho aumentou trabalhando em casa.

Como a questão do sono vem atrapalhando? Quase um terço (31%) relatou que se sente cansado durante o dia e por isso ficou difícil se concentrar no trabalho.

O que as empresas podem fazer para apoiar seus funcionários? A pesquisa apontou o que os funcionários esperam de seus empregadores:

  • Maior flexibilidade para acomodar responsabilidades familiares – 20%
  • Comunicação transparente da liderança sobre decisões da empresa na pandemia – 14%
  • Apoio à saúde mental e bem-estar – 13%
  • Aconselhamento e orientação sobre como gerenciar remotamente – 12%
  • Orientações para estabelecer bons hábitos individuais para trabalho remoto – 12%

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).