As crianças que inesperadamente apareceram em tantas videoconferências durante a pandemia terão um papel muito menor no mundo do home office pós-Covid.

Com cronogramas híbridos e trabalho remoto previstos para continuar mesmo após o fim da pandemia, as empresas dos EUA estão alterando as medidas provisórias da Covid para definir parâmetros a funcionários que buscam flexibilidade. O principal deles, segundo advogados do trabalho, são regras que garantam que outra pessoa cuide das crianças durante a jornada de trabalho.

Os pais foram forçados a conciliar o cuidado dos filhos com o trabalho durante boa parte dos últimos 18 meses diante do fechamento das escolas e creches. Agora que esses locais estão mais propensos a estarem abertos — mesmo que creches sejam mais caras e mais difíceis de encontrar — as empresas estão tentando avaliar a rapidez com que devem exigir que funcionários separem formalmente os deveres parentais de sua jornada profissional.

Acordos formais de trabalho flexível — essencialmente um contrato sobre diretrizes entre o empregador e o empregado — costumavam ser implementados antes da pandemia por pessoas que optavam por trabalhar fora do escritório. O não cumprimento dos termos pode resultar em medidas disciplinares que vão desde advertências até a revogação de privilégios de trabalho remoto ou até mesmo demissão.

O malabarismo está longe de ser o ideal para todos os lados, como podem atestar os milhões de pais que tentaram cuidar dos filhos e trabalhar simultaneamente durante a Covid. Uma pesquisa feita em setembro com funcionários remotos da FlexJobs, que ajuda as pessoas a encontrar emprego e navegar em modelos híbridos, descobriu que 28% dos entrevistados disseram que as distrações em casa eram o maior desafio. E embora a pandemia tenha sido vista como um potencial para mostrar as realidades do cuidado infantil aos empregadores, alguns retornos às antigas normas eram inevitáveis.

Os acordos do tipo híbrido quase sempre exigem um espaço de trabalho dedicado, silencioso e com distrações limitadas.

Há motivos para os empregadores agirem com cautela. Uma pesquisa recente da FlexJobs com 700 mães trabalhadoras descobriu que mais da metade se descreveu como querendo e precisando de empregos, mas 40% dessas mulheres estão procurando incisivamente por uma nova função porque querem trabalhar remotamente pelo menos parte do tempo.

Há um equívoco muito comum de que trabalhar em casa significa que você também pode cuidar de seus filhos ao mesmo tempo”, disse Sara Sutton, fundadora e CEO da FlexJobs. “Você tem que tratar seu trabalho como um trabalho. Você tem que respeitar o nível de profissionalismo que haveria se você estivesse no escritório.”

O acordo pode ser que os funcionários tenham um horário definido em que devem estar totalmente engajados, em seus computadores e disponíveis para o trabalho – por exemplo, das 10h00 às 14h00 – e os empregadores fornecem flexibilidade fora desse horário, disse Jenifer Bologna, um membro do grupo de gerenciamento de deficiência, licença e saúde no escritório de advocacia Jackson Lewis em White Plains, Nova York. Mas ainda deve haver creche separada, mesmo se o funcionário achar que pode fazer malabarismos, disse ela.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).