O Departamento de Justiça dos Estados Unidos abriu na quinta-feira, 3, um processo contra o Facebook por discriminação no recrutamento de trabalhadores – a ação afirma que a empresa privilegiou a contratação de funcionários imigrantes em relação aos americanos.

No documento, a divisão de direitos civis do Departamento diz que o Facebook “se recusou a recrutar, considerar ou contratar trabalhadores americanos qualificados e disponíveis” para mais de 2,6 mil cargos, com um salário médio de US$ 156 mil por ano. Em vez disso, esses empregos foram para portadores de visto de imigrante, de acordo com o processo.

Segundo o Departamento de Justiça, a ação acontece após uma investigação de dois anos que analisou se o Facebook favorecia intencionalmente o chamado visto H1-B, de trabalhadores qualificados, e outros funcionários imigrantes temporários em relação aos trabalhadores dos EUA.

“Nossa mensagem para os trabalhadores é clara: se as empresas negarem oportunidades de emprego preferindo ilegalmente os titulares de vistos temporários, o Departamento de Justiça as responsabilizará”, disse Eric S. Dreiband, procurador-geral assistente da divisão de direitos civis do órgão. “Nossa mensagem para todos os empregadores também é clara: você não pode ilegalmente preferir recrutar, considerar ou contratar titulares de vistos temporários em vez de trabalhadores dos EUA.”

Em resposta, Andy Stone, porta-voz do Facebook, disse: “O Facebook tem cooperado com o Departamento de Justiça em sua análise da questão. Contestamos as alegações do processo, mas não podemos comentar mais sobre litígios pendentes”.

A reclamação acontece em meio a uma pressão crescente do governo americano e de legisladores de ambos os partidos contra gigantes da tecnologia, com Google, Facebook, Amazon e Apple, por violações antitruste.

(Com agências internacionais)

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).