O retorno ao novo normal das empresas tira o sono de trabalhadores com filhos em idade escolar. É que apesar de muitas cidades terem estipulado um cronograma de reabertura da economia, não há nenhuma previsão de retomada das aulas. Por isso, algumas empresas já planejam estender o home office para funcionários com filhos na escola. Esse é o caso da Loft.

Como assim? Renata Feijó, diretora da área de Pessoas da Loft, diz que o retorno ao trabalho presencial se dará em três ondas. “A gente não quer obrigar ninguém a voltar. Entendemos que é um momento de muitas incertezas e que o retorno trará reações distintas.”

Ok, mas o que isso significa? Significa, segundo ela, que pais com filhos em idade escolar não precisarão voltar ao trabalho presencial enquanto precisarem ficar em casa. “Pais e mães poderão se adequar com consciência e ver o que é melhor para eles”, diz Renata.

E como será o retorno dos funcionários? Hoje, a empresa tem 600 funcionários que estavam distribuídos em escritórios de São Paulo, Rio de Janeiro, São José dos Campos , além de colaboradores no Recife. Veja:

  • Primeira onda: voltam 130 funcionários de um escritório de SP e um do Rio
  • Segunda onda: trabalham 400 funcionários de outros escritórios de SP e São José dos Campos
  • Terceira onda: retornam todos

Quando essas ondas serão implementadas? A primeira onda acontece em junho. As demais não têm prazo para ser implantadas.

Que outras medidas foram tomadas voltadas para as famílias? A empresa estende a vacina da gripe para filhos e familiares de funcionários, por R$ 50. Filhos e parentes também podem fazer o teste de Covid-19 por R$ 75.

Qual o contexto dessas medidas? Luana Castro, gerente da divisão de tecnologia da Michael Page, diz que algumas empresas já perceberam a dificuldade que será casar o calendário de trabalho presencial com a volta às aulas. “Nas empresas mais estruturadas, já há políticas prevendo que as mães fiquem em home office até que as escolas voltem a funcionar.”

Segundo ela, existem várias ideias sobre como resolver essa equação. “Quando as empresas voltarem, não são todos os funcionários que vão retornar de uma vez. Para mães com filhos em idade escolar, a tendência é que elas tenham um horário flexível para acompanhar a dinâmica das escolas.”

Além das mães, outros grupos de pessoas devem ficar por último na fila de retorno ao trabalho presencial, caso dos idosos e quem faz parte do grupo de risco.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).