A vida não tem sido nada fácil para motoristas de aplicativos como Uber, 99 e Cabify. Eles tiveram os rendimentos achatados drasticamente desde o início da pandemia de coronavírus. Como a recomendação é para as pessoas ficarem em casa, tem cada vez menos gente recorrendo aos apps para se locomover nas cidades.

Mas a série de más notícias não para de chegar para essa categoria, que nem pode contar com os benefícios do reconhecimento de vínculo profissional – são considerados como autônomos pelos aplicativos.

Um novo rodízio na cidade de São Paulo, em vigor desde segunda-feira (11), tira metade dos carros de circulação (nos dias pares, rodam as placas pares, por exemplo). Ou seja, na cidade que tem a maior frota de motoristas de app do país, eles só podem trabalhar metade do mês.

O veto do presidente à inclusão dos motoristas de app aos beneficiados pelo auxílio emergencial de R$ 600 só agravou a situação desses profissionais. Mas eles poderão receber o auxílio se cumprirem outros requisitos do benefício, como renda familiar.

Motoristas de apps ouvidos pelo 6 Minutos disseram que o rendimento de abril havia caído, em média, 50% na comparação com março. Agora, com o rodízio de São Paulo, esperam por uma nova redução de 50% na remuneração.

Dá para medir como a crise derrubou o uso de apps de transporte? Levantamento do Guiabolso realizado mostrou que o gasto médio do usuário de aplicativo de transporte caiu de R$ 63,4 para R$ 35,19 entre a semana de 2 a 8 de março e a de 30 de março a 5 de abril.

Como a locação de carros foi afetada? A ABLA (associação brasileira de locação de automóveis) diz que as locações de carros para motoristas de apps recuaram 80% após a pandemia de coronavírus. Isso equivale à devolução de 160 mil veículos em todo o Brasil.

Por que isso acontece? Porque os motoristas de apps não conseguem mais ganhar o suficiente para pagar o aluguel do carro. Uma parte deles não possuía carro própria, alugava para poder trabalhar.

Segundo a ABLA, somente 15% das locadoras não tiveram problemas com falta de pagamento por parte de clientes. Dois terços das empresas informaram aumento da inadimplência em patamar de até 40%; e outros 15% afirmaram que já estão lidando com inadimplência acima dos 40% nos contratos em vigor.

O setor produtivo sentiu esse baque? A locação de veículos para motoristas de apps vinha impulsionando o mercado interno automotivo. Mas agora o setor vem amargando perdas profundas. Em abril, a queda foi de 80% no mercado interno. A Anfavea (associação ancional de fabricantes de veículos automotores) informou que com uma queda tão drástica não dpa para identificar ainda o impacto em cada um dos canais de vendas.

Os apps ajudam de alguma forma? A 99 diz que “vem adotando uma série de medidas como a doação de 60 mil corridas para o transporte de profissionais municipais de saúde na capital, cujo valor é 100% destinada ao motorista para geração de renda neste período de pandemia ou a desinfecção dos veículos dos parceiros”.

A Uber ainda não se pronunciou.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).