O BNP Paribas planeja autorizar que alguns funcionários trabalhem em casa por metade do tempo, seguindo os passos de rivais europeus como Deutsche Bank e UBS para oferecer um regime de trabalho mais flexível em uma base permanente.

O BNP estuda oferecer mais flexibilidade aos funcionários, incluindo vários cenários de trabalho remoto, disseram pessoas a par dos planos. Cada unidade do banco poderá escolher a opção que melhor se adapte à situação do funcionário, afirmaram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. Quando compatíveis com suas funções, alguns banqueiros poderão trabalhar de casa dois dias na semana e três dias na outra, disseram as fontes.

O plano, que deve ser assinado pelos sindicatos nas próximas semanas, deve entrar em vigor em setembro, disseram as pessoas.

“Na estrutura do nosso diálogo social com os sindicatos, estão em curso negociações no nível de grupo na França para ampliar o trabalho remoto, mas também para adaptá-lo às especificidades de cada profissão”, disse por e-mail uma porta-voz do BNP, que tem sede em Paris. “O trabalho remoto, claro, será voluntário e dependerá do ambiente pessoal de cada funcionário.”

O Société Générale, rival mais próximo do BNP, disse em maio que permitirá o trabalho remoto até três dias por semana, enquanto o HSBC também oferece aos funcionários franceses de trabalhar em casa a tempo parcial.

O italiano UniCredit planeja permitir que funcionários, com exceção das equipes de agências, trabalhem em casa 40% do tempo. O banco elabora um plano que permitirá aos funcionários administrativos e da sede a opção de trabalhar em casa cerca de dois dias por semana de forma voluntária, enquanto trabalhadores de agências poderão optar por um dia da semana a partir de casa.

Na Alemanha, o Deutsche Bank estuda planos para permitir que os funcionários trabalhem em casa até três dias por semana.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).