Quatro entre dez pessoas preferem o sistema de trabalho híbrido, segundo pesquisa realizada pela Vagas.com. O trabalho presencial foi a preferência de 32% enquanto o método totalmente remoto foi a escolha de 26%.

“Desde que começou a ser implantado durante a pandemia, os trabalhadores foram percebendo que era possível aliar sua atividade profissional com outras de cunho pessoal. Essa flexibilidade despertou uma grande motivação para muita gente, que jamais pensou que poderia ajustar agendas de acordo com a demanda”, afirma Ludmila Seki, especialista em Marketing na Vagas.com.

Apesar de valorizar a flexibilidade, os funcionários também sentiram falta de ir ao trabalho presencialmente, mesmo que menos vezes por semana, para interagir com o colegas. “Essa nova forma de lidar com o trabalho veio para ficar e já é um diferencial competitivo das empresas como forma de atração e retenção de talentos”, disse.

De acordo com a pesquisa, os principais motivos que levam à preferência pelo trabalho híbrido são:

  • Manutenção do relacionamento presencial com outras pessoas da empresa: 31%
  • Flexibilidade para adequar o trabalho a outras atividades domésticas: 16,8%
  • Evitar a locomoção diária até o trabalho: 14%
  • Ganhar tempo para outras atividades pessoais: 8,8%
  • Maior foco e concentração: 7%
  • Poder cuidar de filhos ou outros familiares em alguns dias: 5,5%

O levantamento também procurou saber quantos dias seriam ideais para se trabalhar na empresa. Os respondentes apontaram preferencialmente três dias (41%), seguido por dois dias (33%), quatro dias (14%), um dia (5,6%) e outros (6,4%).

Daqueles que optaram pelo modelo presencial, os principais motivos foram: ter maior foco e concentração (37%), ter relacionamento presencial com outras pessoas da empresa (32,6%), ter um ambiente adequado para trabalhar (16,4%), sair do ambiente doméstico (4,3%).

Para os que optaram pelo trabalho totalmente remoto, as causas mais aparentes foram: trabalhar em empresas de qualquer região no Brasil e exterior (27,5%), evitar a locomoção até o trabalho (14%), cuidar de filhos e outros familiares e ganhar tempo para outras atividades pessoais (11,75%, cada) e ter flexibilidade para adequar o trabalho a outras atividades domésticas (10,4%).

O estudo “Preferências do local de trabalho” foi realizado de 29 de outubro a 7 de novembro, por e-mail, contando com a participação de 11.601 candidatos da base de dados da Vagas.com.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).