Quase 20% dos profissionais negros declararam já ter mudado de emprego por conta de práticas racistas nas empresas. Isso é o que mostra pesquisa do Indeed e do Instituto Guetto com 245 profissionais negros.

O levantamento mostrou que 44,5% dos profissionais negros considerariam trocar de emprego se sofresse ou presenciasse discriminação racial.

Para Vitor Del Rey, presidente do Instituto Guetto, os dados refletem que as empresas precisam abordar essas questões internamente e se esforçar para aumentar o senso de pertencimento de seus colaboradores.

“A discriminação contra pessoas negras e pardas aparece de várias formas no dia a dia da empresa, mas começa já nos processos de seleção e promoção de vagas”, afirma. “Os profissionais negros precisam se sentir respeitados, ouvidos, pertencentes e capacitados na instituição desde o processo de seleção até cargos de prestígio.”

O desemprego entre os negros é de 18,6%, maior que a taxa média da população (14,7%), segundo dados da Pnad

Inclusão

Para 57% dos entrevistados pela pesquisa, a inclusão e diversidade são fatores decisivos na hora de escolher uma empresa para trabalhar

Questionados sobre o que as empresas poderiam fazer a respeito do tema, 72% disseram que as companhias deveriam ter funcionários negros atuando diretamente no processo de recrutamento e seleção. Para 65%, a participação de profissionais negros em processos decisórios e tomada de decisão ajuda a empresa a se tornar mais inclusiva.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).