A Suprema Corte dos Estados Unidos negou o último recurso do ex-presidente americano Donald Trump que tentava impedir que promotores de Nova York tivessem acesso a suas declarações de impostos e outros registros financeiros, emitindo uma ordem de uma sentença na segunda-feira, sem divergências notadas.

Separadamente, o tribunal rejeitou os esforços de Trump para rejeitar as cédulas de votação em Wisconsin e na Pensilvânia, reafirmando a derrota dele para Joe Biden nas eleições de novembro.

O promotor distrital de Manhattan, Cyrus Vance, tem investigado possíveis fraudes cometidas pela organização empresarial de Trump. Vance enviou uma intimação do grande júri ao contador da Trump Mazars USA em agosto de 2019, mas o então presidente interveio para bloqueá-la, argumentando que seu status oficial o imunizou de investigação criminal durante seu mandato.

Em julho, a Suprema Corte determinou que o presidente não tinha poder inerente para impedir que terceiros entregassem registros a investigadores criminais, mas poderia fazer valer outros argumentos que qualquer cidadão poderia levantar contra uma intimação, como a de que era extensa ou emitida por um indevido propósito.

Os advogados de Trump então apresentaram esses argumentos, mas o distrito federal e tribunais de apelação decidiram em favor da promotoria, não encontrando evidências de que Vance, um democrata, foi motivado por objetivos partidários ou que buscou materiais além do escopo de uma investigação financeira complexa.

Na sequência, Trump pediu à Suprema Corte que suspendesse a execução da intimação enquanto ele apelava dessas conclusões legais. A decisão de segunda-feira negou esse pedido.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).