O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, manifestou confiança na aprovação rápida do novo marco de garantias no Congresso para que o mecanismo, considerado por ele como “prioritário ao Brasil”, esteja disponível no mercado a partir de “meados do ano que vem”.

“Tenho certeza que, em parceria com o governo, o Congresso aprovará rapidamente o marco, e em meados do ano que vem já estará em funcionamento”, comentou o secretário durante entrevista à imprensa, na qual chamou o Legislativo de “grande parceiro” da agenda econômica.

A ser trabalhada com o Banco Central e outras instituições, a regulamentação do projeto no Conselho Monetário Nacional (CMN), disse Sachsida, estará pronta assim que a aprovação do projeto seja dada pelo Congresso. Ao tratar de segurança jurídica, ele assegurou que não haverá rupturas em relação ao “ordenamento atual”.

Salientando a necessidade de aprovação do marco, que visa estimular crédito a taxas mais baixas ao estender o alcance das garantias, Sachsida chamou a atenção à experiência de países onde as empresas tiveram dificuldade de retomar após grandes crises por falta de garantias. “Isso afeta toda a economia. Esse movimento foi identificado nos Estados Unidos e vários outros países. Por isso, esse projeto é fundamental para a retomada”, defendeu. “Com o novo marco, o canal de crédito ganha força para auxiliar na retomada”, acrescentou o secretário.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).