A chinesa ByteDance, controladora do aplicativo TikTok, se reuniu neste fim de semana com companhias que desejam assumir as operações do aplicativo nos Estados Unidos para avaliar de que forma as novas restrições chinesas podem afetar a venda do aplicativo. Na sexta-feira, o país asiático emitiu novas restrições à exportação de tecnologia de inteligência artificial. Isso levou a uma desaceleração das negociações com empresas como Microsoft, Walmart e Oracle, de acordo com fontes familiarizadas com o assunto.

A Microsoft e o Walmart têm trabalhado juntos, enquanto a Oracle se uniu aos investidores da ByteDance: General Atlantic, Sequoia Capital e Coatue Management LLC. “Estamos estudando os novos regulamentos que foram lançados na sexta-feira”, disse o conselheiro geral da ByteDance, Erich Andersen. “Como em qualquer transação internacional, seguiremos as leis aplicáveis, que neste caso incluem as dos Estados Unidos e da China”, acrescentou.

O presidente norte-americano Donald Trump estipulou meados de setembro como o prazo final para a conclusão da venda das operações do TikTok no país. O aplicativo levanta preocupações nas autoridades dos EUA quanto à segurança nacional e a privacidade dos dados de usuários. O TikTok, por sua vez, já disse que não compartilha e não vai compartilhar informações dos usuários dos EUA com o governo chinês.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).