Depois de perder um quinhão de seu superministério, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu nesta quinta-feira que as mudanças foram feitas para “acomodação política” e angariar apoio do governo no Congresso Nacional, o que, segundo ele, é natural para dar sustentação à agenda de reformas.

Guedes comentou as mudanças pretendidas pelo presidente Jair Bolsonaro, que convidou o senador Ciro Nogueira (PP-PI) para ser ministro da Casa Civil, o que deverá levar a um efeito dominó: o atual ocupante do cargo, general Luiz Eduardo Ramos, será realocado na Secretaria-Geral de Governo, onde está hoje Onyx Lorenzoni, que se tornará ministro do Emprego e Previdência Social, assumindo uma nova pasta a ser criada em área que hoje está sob comando de Guedes.

“A sustentação parlamentar é decisiva. É natural que haja coalizão política de centro-direita para sustentar agenda de reformas”, afirmou Guedes na entrada do ministério, após participar de evento de inauguração da Antena Multissatelital no Ministério da Defesa.

O ministro ressaltou que a agenda econômica avançou bastante neste ano e que a Câmara acelerou reformas, mas que o governo ainda encontra dificuldades no Senado. Guedes disse ainda ser “natural” uma reacomodação de forças políticas. “É natural que o presidente queira reforçar sustentação parlamentar, particularmente no Senado”, acrescentou.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).