Nas eleições deste ano, todos os 27 partidos com representação no Congresso terão candidatos formados ou associados a movimentos de renovação política. O Estadão identificou em 29 das 33 siglas brasileiras candidaturas ligadas a grupos como RenovaBR, Rede de Ação Política Pela Sustentabilidade (Raps), Agora, Livres e Acredito, uma disseminação que expõe um crescimento do poder de influência dessas iniciativas na política nacional. São candidatos que apostam mais na chancela dos movimentos do que na dos partidos aos quais estão filiados, e que têm tratado a preparação recebida fora das legendas como principal diferencial para conquistar o voto do eleitor.

As marcas dos grupos de renovação estão espalhadas por candidatos a prefeito e vereador por todo o País e não só nas capitais. Em Xexéu, município de cerca de 40 mil habitantes a 140 km do Recife (PE), João Victor Silva é candidato a vereador pelo PSC. Aos 21 anos, o técnico de informática participa da disputa eleitoral já influenciado por movimentos. Há dois anos ele frequenta as organizações e hoje está associado ao Livres, ao Acredito e ao RenovaBR.

“Tive capacitação nos movimentos e participei de processos seletivos para ver quem iria representá-los nas eleições. Ao contrário dos partidos políticos, onde pode entrar qualquer pessoa, independentemente se faz boas práticas na política ou não”, afirmou Silva.

Com 1.032 ex-alunos candidatos a prefeito e vereador em 398 cidades, o RenovaBR é o grupo que mais terá representantes nas urnas no mês que vem. É um crescimento de 800% em relação aos 117 candidatos que levaram a marca da iniciativa para o pleito de 2018.

A Raps tem 187 líderes disputando as eleições em 95 cidades brasileiras. O Acredito, 100 candidatos em 75 municípios. O Livres está associado a 75 candidaturas em 40 cidades. O Agora lançou apenas cinco nomes em cinco municípios diferentes.

O número de candidatos associados a esses movimentos supera pelo menos cinco partidos: o Novo, que aposta em 620 nomes em todo o País na eleição deste ano, e siglas “nanicas” como PSTU, PCB, PCO e UP, que, somadas, chegam a 555 candidaturas – dentre as quais a reportagem não identificou membros de grupos de renovação.

“É uma tendência que já vem desde a eleição de 2018. Esses movimentos apostaram em variedade, foram ficando mais conhecidos, e agora estão em todo o espectro político”, disse a cientista política Carolina de Paula, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj). Para ela, o quadro é sintomático da crise dos partidos no Brasil. “A política partidária tradicional envelheceu e não deu espaço nem para a renovação interna. Vai ter que remar para se acostumar a este novo paradigma.”

Integrante da Raps, Madalena Santos é candidata pelo Avante a uma vaga na Câmara Municipal de Hortolândia, no interior de São Paulo. A biomédica está em sua terceira campanha, depois das tentativas de se eleger ao cargo de vereadora em 2012 e de deputada estadual em 2018 pelo PSOL.

Antes do pleito deste ano, decidiu apostar na qualificação da Raps e avalia que obteve um “olhar mais amplo para a prática de boas políticas” com base no diálogo cívico. “Os partidos políticos vêm criando uma briga absurda, que foge do foco e do debate político, e quem perde são as pessoas e a democracia. Não vivemos em uma bolha. É fundamental dialogar”, afirmou Madalena.

Currículo

Em capitais, a estratégia para tentar se diferenciar em meio ao número elevado de candidaturas passa até por registrar a experiência nos movimentos de renovação no currículo profissional. É o caso de Michelle Guimarães, candidata pelo PL a vereadora em Manaus (AM). Com quase 15 anos na iniciativa privada, formada pelo RenovaBR e associada à Raps e ao Agora, ela defende a ideia de que político tem de se preparar para exercer o cargo público assim como qualquer profissão.

“Nunca vi os partidos fazerem essa preparação de forma incisiva como os movimentos. Alguns até entenderam a importância e tentaram fazer algo parecido”, disse Michelle. “Se todo mundo tem que estudar para exercer uma função, por que o político não? Por isso apresento meu currículo.” Ligado ao movimento Agora desde sua fundação, em 2018, o advogado Diogo Busse (PDT), candidato pela terceira vez a vereador em Curitiba (PR), vê nos movimentos uma saída para fortalecer o diálogo e a democracia, e, assim, melhorar a política.

“Os partidos estão desacreditados. Salvo raras exceções, os partidos são instituições pouco transparentes e ambientes dominados por pessoas que não valorizam a democracia”, afirmou Busse. “Parece que não há muita vontade de educar politicamente, pois cidadãos conscientes escolhem melhor seus representantes e não são passíveis de domesticação.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.