O colegiado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aceitou proposta de acordo com o diretor de Relações com Investidores da Tecnisa, Flávio Vidigal de Capua, que ofereceu pagar R$ 1,12 milhão para encerrar um processo administrativo sancionador.

Instaurado no ano passado pela Superintendência de Relações com Empresas (SEP) da CVM, o processo apurava possíveis irregularidades pela não divulgação de informações “verdadeiras, completas e consistentes” pela empresa ao prestar esclarecimentos imprecisos sobre conteúdo antecipado pela imprensa.

Em 6 de junho de 2019, a imprensa publicou que a empresa discutia com bancos de investimento possíveis soluções para capitalização.

Os papéis da companhia valorizaram-se 8,66% naquele dia. Após ofício da B3, a empresa emitiu comunicado ao mercado, no dia seguinte, prestando esclarecimentos.

Em 21 e 28 de junho a empresa foi novamente oficiada e precisou emitir comunicados ao mercado para explicar notícias publicadas a respeito de sua operação de capitalização. As divulgações de prospecção e divulgação de soluções de capitalização pela mídia, antes de divulgadas, eram alvo do processo.

Com o acordo aceito, o processo é encerrado e não há assunção de culpa.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).