O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que o Exército pode “ir às ruas para garantir a liberdade” da população, durante cerimônia de entrega de moradias populares em São Mateus, no Espírito Santo. Ele também criticou novamente a adoção de medidas de distanciamento social por prefeitos e governadores.

“Tenho Forças Armadas ao meu lado. Sou chefe supremo delas. Jamais elas irão às ruas para mantê-los em casa. Poderão, sim, um dia ir às ruas para garantir a sua liberdade e seu bem maior, que é aquilo previsto em sua constituição”, disse.

O presidente declarou apoio aos militares e respeito à Constituição. Mencionou o direito ao trabalho, à liberdade de culto e à inviolabilidade do lar, princípios que, na visão dele, têm sido descumpridos em meio à crise sanitária. Em seguida, eximiu-se da responsabilidade pelo fechamento de estabelecimentos comerciais e, perda de empregos e prejuízos econômicos, cuja responsabilidade atribuiu a líderes locais.

“Hoje, vocês têm um presidente que acredita em Deus, que é leal ao seu povo, que acredita nos militares e que nunca jogou fora das quatro linhas da Constituição. Um presidente que respeita todos os incisos do artigo 5º da Carta Magna, onde lá está escrito a liberdade de culto”

Bolsonaro confirmou encontro de motociclistas com apoiadores em São Paulo amanhã (12) e reiterou sua discordância com medidas de distanciamento social. “Vai valer a pena ver um pouco de forma voluntária dizendo que sua liberdade é inegociável”. O governador de São Paulo, João Dória ameaçou multá-lo caso compareça à manifestação sem máscara.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).