As bolsas de Nova York mostraram ganhos durante boa parte do pregão, à espera do anúncio de mais estímulos fiscais nos Estados Unidos, mas perderam força na hora final, em meio a algumas dúvidas sobre de quanto será o pacote que deve ser anunciado nesta noite pelo presidente eleito, Joe Biden.

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,22%, em 30.991,52 pontos, o S&P 500 recuou 0,38%, para 3.795,54 pontos, e o Nasdaq teve baixa de 0,12%, a 13.112,64 pontos.

A notícia sobre mais um pacote de estímulo animou investidores desde o início do dia, e o Dow Jones e o Nasdaq chegaram a atingir recordes históricos intraday.

O auxílio é visto por investidores como crucial neste momento, de nova onda da covid-19 no país. Mais para o fim da tarde, contudo, reportagem do jornal The New York Times a partir de fontes ligadas ao assunto falava em pagamentos diretos mais baixos do que o até então imaginado pelo mercado – de US$ 1.400, não de US$ 2 mil -, o que retirou fôlego dos índices.

Nesse quadro, os setores não tiveram sinal único, com ações de energia liderando as altas e ganhos também no setor financeiro, mas tecnologia, serviços de comunicação e saúde entre as baixas. Entre algumas ações importantes, Boeing subiu 1,30% e Citigroup, 3,22%, mas Apple perdeu 1,51%, Amazon cedeu 1,21% e Microsoft, 1,53%.

A Capital Economics afirma que as curvas de retornos dos bônus nas maiores economias não devem se acentuar mais, apontando que o desempenho recente mais forte das ações de bancos perderá fôlego. Para a consultoria, de qualquer modo, os bancos centrais dos países desenvolvidos não devem ter pressa em apertar a política monetária – como é o caso demonstrado nesta quinta pelo banco central dos EUA -, com isso as ações de bancos continuarão a se beneficiar da recuperação global em andamento.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).