As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta quarta-feira (28), à medida que investidores demonstram cautela diante da alarmante propagação da Covid-19 nos Estados Unidos e na Europa e das incertezas relacionadas à eleição presidencial americana, que será na próxima semana.

O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,29% em Tóquio hoje, a 23.418,51 pontos, pressionando por ações dos setores imobiliário e de seguros, enquanto o Hang Seng recuou 0,32% em Hong Kong, a 24.708,80 pontos, e o Taiex registrou queda de 0,63% em Taiwan, a 12.793,75 pontos, mas o sul-coreano Kospi avançou 0,62%, a 2.345,26 pontos.

Na China continental, os mercados tiveram alta generalizada pelo segundo pregão consecutivo, recuperando-se de perdas recentes. O Xangai Composto subiu 0,46%, a 3.269,24 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,68%, a 2.239,11 pontos.

O avanço do coronavírus, principalmente nos Estados Unidos e na Europa, continua prejudicando o apetite por risco. Ontem, os EUA registraram a média diária de 70.289 novos casos de Covid-19, considerando-se os últimos sete dias. Trata-se do maior nível por essa métrica desde o início da pandemia. Já em várias partes da Europa, governos vêm reforçando medidas de restrição numa tentativa de conter a doença.

O ambiente também é de cautela antes da eleição presidencial dos EUA, marcada para o dia 3 de novembro. A Casa Branca e a oposição democrata ainda não conseguiram superar o impasse em torno de um novo acordo fiscal para lidar com os impactos da Covid-19 e, segundo o senador republicano Richard Shelby, as chances de um pacote de alívio ser aprovado antes da disputa eleitoral são “muito, muito pequenas”.

Na Oceania, a bolsa australiana teve ganho marginal hoje e evitou um quinto pregão seguido de perdas, graças ao bom desempenho de ações de tecnologia. O S&P/ASX 200 avançou 0,11% em Sydney, a 6.057,70 pontos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).